Saúde baseada em valor: o que esperar?

2019-12-10T12:09:55-03:00 12/12/2019|

Em novembro, a Anahp reuniu 4 mil profissionais do segmento hospitalar no Congresso Nacional de Hospitais Privados, o Conahp. Com o tema “Saúde Baseada na Entrega de Valor: o papel do hospital como integrador do sistema”, o evento propôs a união da tríade conhecimento, inovação e relacionamento.

 

O congresso veio para atestar ainda mais que a questão “valor em saúde” tem ganhado abrangência e protagonismo nos debates dos principais eventos nacionais e internacionais do setor. As temáticas que mais interessam aos envolvidos no sistema de saúde brasileira entraram em pauta, como a inteligência de dados e os resultados efetivos dos recursos aplicados.

 

O gerente comercial da Wareline, Raphael Castro, considera de extrema importância a discussão da temática, inclusive para desmistificar certas concepções. Para ele, criar valor em saúde deve ser facilmente traduzido em melhoria de experiência de utilização de serviços pelos pacientes.

 

 

Melhor experiência não significa mais caro

 

Raphael acredita que não basta ter uma infraestrutura excelente com serviços ineficientes. E nem sempre o que custa mais é aquilo que agrada mais. “É importante discutir: o aumento do custo da atenção trará de fato valor ao paciente se ao mesmo tempo não promover segurança para quem utiliza os serviços?”, indaga Raphael.

 

A segurança do paciente inclusive ganhou repercussão no Congresso Nacional de Hospitais Privados com o debate intitulado “A evolução da segurança do paciente após a publicação do relatório ‘To err is human: building a safer health system’, e o impacto na entrega de valor”.

 

O painel foi comandado por Pedro Delgado, head of Europe and Latin America do Institute for Healthcare Improvement (IHI), que explicou que, nos últimos anos, houve progresso em relação à segurança nos hospitais – com iniciativa científica, trabalho colaborativo e trabalho em família –, mas ainda há muito a fazer.

 

Se depender da Wareline, no entanto, essa trajetória até a segurança do paciente será cada vez mais facilitada. “Antes de qualquer análise ou desenvolvimento, a segurança do paciente tem que ser o centro dos esforços. Não se cria uma importância derivada com nossos clientes sem que as ferramentas que comercializamos tragam prioritariamente segurança aos pacientes por eles atendidos”, diz Raphael.

 

 

Sistema da Wareline na vanguarda

 

O sistema da Wareline é visto pelos clientes por três perspectivas: ferramenta robusta, fácil utilização e bom custo-benefício. A experiência de uma atenção mais rápida e com segurança de um prontuário digital agrega valor ao serviço dos hospitais e impulsiona a capacidade competitiva dos clientes em seus respectivos mercados.

 

Mas, quando se fala em criar valor em saúde, por mais que o foco esteja no paciente, outros aspectos devem ser considerados para o aprimoramento da rotina hospitalar. Um deles é o relacionamento com os fornecedores, essencial para o bom funcionamento de um planejamento hospitalar.

 

E o sistema da Wareline também traz contribuições reais e eficientes. “Temos uma gestão de suprimentos e contratos integrados com as principais rotinas de dispensação, padronização e compras. Mantemos workflow desses processos que garantem a confiabilidade das informações;e dos serviços contratados, bem como a gestão financeira desses processos”, conta Raphael.

 

 

Tecnologia é a salvação

 

No Conahp 2019, considerado o principal congresso de gestão hospitalar da América Latina, o médico Shafiq Rab, vice-diretor;geral e diretor de informações do centro médico da Rush University, que fica em Chicago, nos Estados Unidos, foi enfático ao dizer que;a tecnologia é a única salvação financeira e operacional do sistema de saúde privado.

 

Como as novas tecnologias vêm como avalanche em todos os setores profissionais;e da vida moderna, a inovação nos sistemas de saúde que entregam valor;para o paciente também é primordial, mesmo que desafiadora.

 

Há anos a Wareline visualiza essa tendência e se prepara para atender a necessidade dos gestores hospitalares. “Temos módulos que utilizam IoT como base de busca de dados clínicos. Esse é o caso dos monitores multiparâmetros, que estão presentes no produto medidas clínicas. Eles evitam perdas de tempo e aumentam a segurança da informação”, conta Raphael.

 

O dispositivo desenvolvido pela Wareline promove a interação;e a conexão entre objetos presentes na rotina do hospital e a rede de computadores. A equipe de enfermagem pode realizar a aferição e o registro dos dados clínicos do paciente à beira-leito. É a tecnologia inovando os hospitais e garantindo segurança aos profissionais e pacientes!