Quais relatórios e indicadores do sistema de gestão contribuem para o faturamento hospitalar?

2021-09-03T10:29:24-03:00 03/09/2021|

Os desafios que as instituições de saúde enfrentaram em meio à pandemia — e ainda estão enfrentando — vão muito além daquilo que todos veem na mídia. Extrapolam a escassez e esgotamento de profissionais, a queda nos procedimentos eletivos, a alta nos insumos ou necessidade de definição de novos protocolos.

 

Há questões que resvalam diretamente nos gestores (ou em quem vivencia diariamente as rotinas de um hospital) e que são tão emblemáticas quanto às citadas acima.

 

Muitas vezes os gestores hospitalares não conseguem ter uma visão geral de tudo que acontece nos setores da sua instituição ou de suas unidades. Não conseguem ver de forma rápida como está a sua produtividade, não contam com gráficos e relatórios que ajudam a embasar suas decisões. E o preço disso pode ser alto.

 

Quando pensamos no faturamento hospitalar — que já foi altamente impactado pela queda nos atendimentos eletivos —, essa falta de visão dificulta ainda mais o acesso a respostas rápidas sobre as faturas, a melhorar o prazo médio de recebimento e a manter um fluxo de caixa saudável, entre outros tantos pontos sensíveis para a área.

 

E se existe uma forma de reverter essa situação, com certeza a tecnologia é sua grande protagonista. Com um sistema de gestão hospitalar que permita ter acesso a indicadores hospitalares e relatórios, gestores da saúde terão em mãos os fundamentos para embasarem decisões tanto em momentos críticos quanto os que vivenciamos, quanto em situações de mais estabilidade. Convidamos especialistas da Vertical de Faturamento aqui da Wareline, entre eles a Bira Furoni, para nos ajudarem a selecionar alguns deles e a descrever no detalhe como cada um auxilia diretamente no faturamento da instituição – e por que isso é fundamental.

 

Relatórios e indicadores que auxiliam no faturamento hospitalar

 

O Conecte/w, sistema de gestão hospitalar da Wareline, reúne uma gama de relatórios estratégicos para gestores da saúde. Dentro dos Módulos Faturas, Convênios e Particulares e Indicadores estão alguns dos mais decisivos para um faturamento hospitalar mais eficiente. Vamos apresentar alguns deles.

 

Módulo Faturas

– Atendimentos não faturados: auxilia na visualização de atendimentos que não estão faturados. Isso possibilita ao setor de faturamento verificar junto aos departamentos envolvidos os motivos de atrasos.

 

Módulo Convênios e Particulares

– Faturamento por convênio: mostra o faturamento total, separando os valores de serviços hospitalares, honorários, materiais, medicamentos e OPMEs (Órteses, Próteses e Materiais Especiais) — de um ou vários convênios selecionados em um determinado período. “É essencial para acompanhamento do valor faturado mensalmente”, explica Bira.

 

– Faturamento por fatura: apresenta o faturamento total de uma fatura única, separando os valores de serviços hospitalares, honorários, materiais, medicamentos e OPMEs.

 

– Faturamento por procedimentos executados: permite o acesso ao faturamento de um procedimento em um determinado período.

 

– Resumo de materiais, medicamentos e OPME’s cobrados: aqui é possível acessar o valor dos medicamentos, materiais e OPMEs cobrados em conta, juntamente com o valor de custo desses itens cobrados em um determinado período.

 

Módulo Indicadores

Existem também diversos indicadores que mostram o tempo entre a alta até o faturamento, possibilitando ao setor corrigir possíveis falhas no processo. Relatórios que reúnam essas informações são de extrema importância, pois evitam atrasos nos envios de contas aos convênios e, consequentemente, perda de prazos.

 

Como o sistema contribui para a gestão hospitalar

Com os relatórios e indicadores podemos melhorar o prazo médio de recebimento, manter um fluxo de caixa saudável, diminuir digitação e retrabalho dos times, e ter respostas mais rápidas sobre as faturas enviadas. Quer saber como? Destacamos a seguir!

 

Como melhorar o prazo médio de recebimento?

Para responder a pergunta acima, é preciso listar no Conecte/w todos os contratos realizados com as operadoras, a fim de saber todas as datas e prazos de recebimento do faturamento. “Temos parâmetros no cadastro de planos de convênios, nos quais podemos informar prazos de entrega do faturamento, análise de contas, de pagamentos, de recursos de glosas e de análise dos recursos de glosas.  E todos eles podem ser acompanhados em relatórios”, reforça Bira.

 

Como manter o fluxo de caixa saudável?

É preciso realizar a conferência entre o que está sendo faturado e o que está sendo recebido, observando as regras de contratualização da operadora, os erros de digitação e a falta de autorização de guias. Também é fundamental conferir cobranças de valores, materiais e medicamentos que não condizem com o contratado para que sejam evitadas as glosas.

 

Atualmente, o maior porcentual de glosas acontece por erros de digitação de contas médicas. Uma de nossas ferramentas para auxiliar nesse aspecto é a glosa administrativa, dentro do Módulo Convênios e Particulares. Ela funciona como um pré-faturamento, em que é possível realizar a glosa de itens da conta. É uma ferramenta muito utilizada em hospitais que possuem auditoria in loco — quando é feita a auditoria das contas antes que sejam enviadas para a operadora.

 

Como diminuir erros digitação e retrabalho?

O Conecte/w contribui para diminuir os erros de digitação e não haver retrabalho de diversas maneiras. Uma delas é por meio da integração entre o Módulo Estoque e o Módulo Convênios e Particulares, sendo possível filtrar todos os exames e consumo de materiais e medicamentos realizados no atendimento ao paciente. Isso otimiza — e muito! — o tempo dos faturistas.

 

Outra maneira é a integração entre o Módulo Convênios e Particulares e o Módulo Centro Cirúrgico, já que é possível selecionar de forma automática todas as cirurgias realizadas no faturamento.

 

Além disso, as regras de cobrança automática permitem cadastrar cobranças de procedimentos com regras específicas, o que evita a digitação. “É possível configurar várias cobranças de taxas, procedimentos e diárias para que o faturamento consiga ser o mais automatizado possível”, conta Bira.

 

As cobranças automáticas são utilizadas naqueles procedimentos em que as cobranças são recorrentes na maioria das contas. Já as diárias são configuradas para que caiam automáticas nas contas com a quantidade de dias que o paciente ficou internado, sem que o setor de faturamento precise contá-las e digitá-las manualmente.

 

Como ter respostas mais rápidas sobre as faturas enviadas?

Por fim, temos dentro do Módulo Convênios e Particulares uma consulta em tela de notas fiscais x faturas, na qual são sinalizadas as faturas e as notas fiscais emitidas, além de vários relatórios por faturas.

 

No Módulo Glosas e Repasses, há ainda relatórios que mostram os faturados e a posição da fatura — seja ela apresentada, recebida parcial, ou recebida total.

 

Todos esses relatórios e indicadores contribuem para um faturamento mais otimizado e produtivo. Assim, o setor deixa de ter o status de desafiador para ganhar o status de 100% estratégico, o que é extremamente relevante para agora e para o futuro, no pós-pandemia.

 

Você quer ter um faturamento difícil de administrar ou um que traga insumos precisos para a sua tomada de decisão? Com certeza você escolhe o que traga mais benefícios financeiros para sua instituição.

 

Fale com a Wareline, seja beneficiado com as vantagens do Conecte/w.

Envie sua mensagem via WhatsApp