A “curiosidade” que colocou uma mulher na gestão hospitalar

2022-03-17T12:02:03-03:00 17/03/2022|

Dos cerca de 10 mil hospitais operantes hoje no Brasil, 4198 são instituições privadas, sendo que 11,4% delas estão na região Centro-Oeste do País. O Estado de Mato Grosso do Sul concentra 74 dessas instituições, dentre eles o HPLAS Hospital da Plástica, localizado na capital, Campo Grande.

 

Uma unidade Sul Mato-Grossense composta em maioria por mulheres, o que vem ao encontro dos dados levantados pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde de que as mulheres representam 65% dos mais de 6 milhões de profissionais do setor. Mas, no HPLAS Hospital da Plástica, há um grande diferencial: a equipe gerencial é integralmente feminina.

 

É um time de profissionais dedicadas que equilibram sensibilidade e firmeza para resolver problemas e contribuir com os pacientes e cirurgiões em momentos delicados. Afinal, um atendimento aprimorado começa na gestão, que deve manter um balanço impecável entre as necessidades da organização e a qualidade inserindo a humanização do atendimento.

 

Mariley Miranda sabe bem disso. “Me sinto muito gratificada e feliz quando vejo que o resultado do meu trabalho, juntamente ao da minha equipe, é reconhecido. Quando atendemos às expectativas dos nossos pacientes e médicos/cirurgiões”, conta. Ela entende que, ao agregar qualidade ao seu trabalho,  acaba tornando o HPLAS um exemplo de atendimento hospitalar.

 

Mariley é a gestora do HPLAS Hospital da Plástica e nossa personagem inspiradora da vez em comemoração ao Mês Internacional da Mulher. Mais um capítulo da série da Wareline em homenagem àquelas que trabalham no setor da saúde. Confira!

 

Da hotelaria para a gestão hospitalar

 

Quem olha rapidamente para a trajetória profissional da Mariley talvez não compreenda os motivos que a posicionaram na gestão de uma instituição de saúde. “Trabalhei durante 15 anos na gestão de hotéis”. Formada em Administração de Empresas, foi sua segunda graduação (e pós-graduação) em hotelaria que ditou grande parte da sua carreira.

 

Só que sempre repousou nela uma vontade adormecida. Os primeiros empregos de Mariley, ainda na juventude, foram na área da saúde, com a qual sempre se identificou. Quando morou em São Paulo, onde trabalhava na área de hotelaria, decidiu “por curiosidade” – segundo ela própria –, fazer uma segunda pós-graduação em Gestão Hospitalar.

 

Ao retornar para Campo Grande, foi indicada para chefiar o setor de hotelaria de um hospital e, há quase 8 anos, convidada para administrar o HPLAS Hospital da Plástica. Convite aceito.

 

Como gestora hospitalar, seu dia a dia possui muitas nuances. Ainda que as responsabilidades sejam as mais variadas, é impossível se desvincular da palavra “cuidado”.  E não estamos nos referindo apenas à assistência de pacientes. Mariley gosta de estar lado a lado do setor de RH para conhecer os colaboradores a fundo e de acompanhar a rotina de todos os setores: Enfermagem, Hotelaria, Financeiro, Atendimento, Manutenção, Compras…

 

Mas é claro que o cuidado também está na aproximação com o público, algo que evoluiu muito no último ano, em todos os setores, por causa da pandemia da Covid-19. “Anteriormente à pandemia, quase nenhum estabelecimento se importava ou fazia questão em fazer uma entrega ou ir até o cliente. Agora nós temos absolutamente quase todos os serviços ao nosso dispor”, conta. No setor da saúde, não foi diferente. A inclusão de teleconsultas médicas é um exemplo de maior proximidade.

 

Fortalecer a relação fator humano x hospital, inclusive, é um dos desafios de Mariley em sua rotina. “Sabemos que elevar os padrões de qualidade pessoal é um patrimônio que temos”, diz. O outro está em manter a qualidade dos serviços do hospital, o que vem sendo feito com maestria por toda a equipe hospitalar, hoje formada por 60 mulheres e 8 homens.

 

Na contramão: onde mulheres são maioria na equipe e na gestão

 

Em 2021, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a segunda edição dos “Indicadores Sociais das Mulheres no Brasil”, com dados de 2019. A pesquisa aponta que apenas 37,4% das mulheres brasileiras ocupam algum cargo de gerência, uma queda de 1,7% em relação ao estudo anterior, de 2016.

 

No HPLAS, a realidade é diferente. Graças às suas políticas de diversidade bem estruturadas, o hospital sempre manteve o seu staff com mais de 90% dos colaboradores sendo mulheres, sendo que a gerência é composta 100% pelo sexo feminino.  “Trabalhar sendo mulher, e com mulheres, tem trazido excelentes resultados. As mulheres que ocupam cargos gerenciais são extremamente ativas”, diz Mariley.

 

Para ela, os resultados são muito positivos e se estendem aos pacientes. “Até mesmo clientes com um grau de exigência maior passaram a ver a empresa com outros olhos. Temos conseguido fidelizar parceiros e pacientes”, diz.

 

Por mais que as atribuições sejam intensas na unidade de saúde, Mariley também consegue se dedicar à família e aos momentos de lazer. Ela gosta de assistir a filmes, pratica pilates e faz academia. Mas atualmente o seu hobbie preferido é brincar com a sua netinha Bianca de 1 ano. Mais uma mulher na família, mais um motivo para lutarmos por um mundo de igualdade.

 

O espaço também é delas!

Mariley acredita que nenhuma profissão ou atividade é exclusiva de um gênero, e que o papel que uma mulher representa na sociedade é definido por ela durante o seu desenvolvimento pessoal e profissional.

 

“O importante é saber que lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive se ela decidir ficar em casa e ser mãe em tempo integral. Em se tratando de mercado de trabalho, a igualdade feminina somente acontecerá quando houver iniciativas fiéis para reduzir as desigualdades entre homens e mulheres.”

 

Ou seja, quando o mercado de maneira geral adotar diretrizes como as do HPLAS Hospital da Plástica e abrir cada vez mais espaço para as mulheres em cargos gerenciais.

 

Contar com um sistema de gestão hospitalar é fundamental para aquelas que já lá estão. São as funcionalidades, ferramentas e indicadores que contribuem para a tomada de decisão e fazem com que as gestoras tenham mais tempo para o que importa: criar uma conexão entre hospital, equipe e pacientes, focar na qualidade e na humanização do atendimento.

 

Assim como no HPLAS, a Wareline pode contribuir positivamente com a gestão hospitalar da sua instituição de saúde. Fale com um dos nossos representantes.

Envie sua mensagem via WhatsApp