Mulher na Tecnologia e na Saúde: orgulho de fazer a diferença

2022-03-08T11:27:50-03:00 08/03/2022|

A presença da mulher na Tecnologia da Informação vem aumentando ano a ano. Hoje vemos mulheres programando softwares, desenvolvendo soluções, lidando com a segurança da informação, gerenciando arquiteturas de redes, liderando times na área.

 

Já não é mais comum olhares tão surpresos quando uma mulher diz que trabalha em carreiras técnicas como a Tecnologia. Mas nem sempre foi assim — e ainda há muito que evoluir.

 

“Quando eu comecei, enfrentei alguns preconceitos. Por ser mulher e ter uma profissão predominantemente masculina, algumas pessoas não achavam que eu teria potencial para exercer um cargo de TI”, conta Laiza Gonçalves Sampaio, que provou o contrário.

 

Hoje ela é encarregada do setor de Tecnologia da Informação da Santa Casa de Presidente Venceslau, tem uma rotina de trabalho bem complexa e bastante orgulho da sua trajetória. Com toda razão. Laiza é a nossa segunda convidada da série da Wareline, que homenageia as mulheres que atuam dentro dos hospitais brasileiros.

 

Mirou na tecnologia, agregou na saúde

 

Há vertentes profissionais que a gente escolhe, outras que escolhem a gente. Com Laiza, aconteceram os dois cenários. Formada em Gestão da Tecnologia da Informação, ela estagiou em dois lugares antes de entrar na Santa Casa, ambos relacionados à Saúde.

 

Primeiro, em um Centro de Atenção Psicossocial (Caps); depois, em uma clínica que oferecia serviços de fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia. “Embora eu trabalhe com tecnologia, sempre gostei da área da saúde, tanto que minhas outras experiências profissionais foram nessa área também. Acho que o hospital me escolheu”.

 

Hoje, ela atua para melhorar a rotina dos profissionais de saúde, o que não é tarefa fácil.  A Santa Casa de Presidente Venceslau conta com grande número de máquinas e entre os principais desafios está se manter atualizada na questão de equipamentos.

 

“Já que somos uma entidade filantrópica e precisamos de recursos para adquirir computadores ou servidores, nossa maior alegria é conseguir manter a parte da TI sempre com um bom funcionamento, oferecendo um bom atendimento aos nossos pacientes”, conta Laiza.

 

O que não faltam são esforços, decisões acertadas — e muito trabalho! Atualmente o hospital está em processo de implantação do Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP). A tecnologia centraliza as informações dos pacientes, garante mais segurança de dados, economiza armazenamento físico, evita falhas em relação à prescrição e administração de medicamentos, agiliza o atendimento e facilita o diagnóstico.

 

Por mais mulheres na Tecnologia e na Saúde

 

Por mais que o mercado de Tecnologia da Informação esteja vivendo uma nova mudança com o aumento de mulheres nos últimos anos, há muito que se caminhar. No Brasil, apenas 20% ocupam cargos de tecnologia.

 

Quem está inserida nesse mercado, tem uma sensação de orgulho pelo trabalho desenvolvido e, ao mesmo tempo, de luta. “Por ser mulher e encarregada de um setor de TI hospitalar, lugar onde poucas mulheres exercem a carreira”, diz Laiza, cujo trabalho não contribui apenas com o setor, mas com a saúde brasileira.

 

“Acredito que consigo proporcionar uma forma de agilidade no atendimento e passar uma maior confiança trabalhando com sistemas informatizados, nos quais diagnósticos podem ser descobertos com mais rapidez.”

 

Assim como a Laiza, você também pode contar com a Wareline para o desenvolvimento de soluções que vêm para facilitar a rotina hospitalar e, consequentemente, melhorar a saúde do País. O conecte/w integra todos os dados da instituição em um único sistema, o que facilita o controle e o acesso à informação em tempo real e com muito mais segurança. Faça como a Santa Casa de Presidente Venceslau, conte com o conecte/w e tenha todo um time para trabalhar com você!

Envie sua mensagem via WhatsApp