Seu hospital pensa em buscar por uma acreditação ou certificação hospitalar?

2021-07-08T11:40:02-03:00 08/07/2021|

Você sabe qual é a importância da acreditação e certificação hospitalar para a sua instituição? É a garantia — chancelada por uma instituição renomada e reconhecida nacional e mundialmente — de que os processos da sua entidade promovem a qualidade do atendimento e a segurança do paciente.

 

E ter esse selo se faz cada vez mais necessário, ano a ano, considerando o empoderamento dos pacientes/clientes e a busca constante por serviços de excelência. É uma vantagem competitiva às organizações prestadoras de serviços em saúde e uma evolução de setores e profissionais da área.

 

Mas, quando o assunto é acreditação e certificação, normalmente está atrelado a uma série de dúvidas: quais são as diferenças entre uma e outra, qual é a mais importante para a área da saúde e, principalmente, como conquistar – e manter. É sobre tudo isso que vamos falar.

No vídeo a seguir, Fernanda Cinel, do time de Atendimento ao Cliente aqui da Wareline, explica os principais conceitos sobre o tema e como um sistema de gestão hospitalar ajuda na conquista da Acreditação:

 

 

Acreditação e certificação hospitalar: quais são as diferenças?

A acreditação e a certificação são processos complementares, sendo a primeira mais ampla que a segunda.

 

Acreditação Hospitalar

Segundo a Organização Nacional de Acreditação (ONA), a acreditação é um método de avaliação e certificação que, seguindo padrões e requisitos previamente definidos, atestam que determinado prestador de serviço em saúde promove a qualidade e a segurança da assistência no setor. Como é voluntária e não tem caráter de fiscalização, caracteriza-se como um programa de educação continuada, que deve ser revisto periodicamente.

 

 

Pontos positivos do Processo de Acreditação

Segundo a ONA, as principais vantagens da acreditação são:

  • Demonstrar segurança e qualidade no atendimento ao paciente/cliente
  • Responsabilidade e comprometimento com a assistência a segurança segura
  • Importante ferramenta de gestão que contribui para a melhoria contínua

 

Quem pode receber a acreditação

  • Hospitais;
  • Ambulatórios;
  • Laboratórios;
  • Serviços de pronto-atendimento;
  • Home Care;
  • Serviços oncológicos;
  • Serviços de medicina hiperbárica;
  • Serviços de hemoterapia;
  • Serviços de nefrologia e terapia renal substitutiva;
  • Serviços de diagnóstico por imagem, radioterapia e medicina nuclear;
  • Serviços odontológicos;
  • Serviços de processamento de roupas para a saúde;
  • Serviços de dietoterapia;
  • Serviços de manipulação;
  • Serviços de esterilização e reprocessamento de materiais.

 

 

Certificação

Já os selos de qualidade da certificação são voltados para atividades e serviços de apoio às organizações de saúde: dietoterapia, higienização, lavanderia, engenharia clínica, nutrição de produção e clínica, central de material esterilizado e manipulação e atenção farmacêutica. É possível que esses serviços — que podem ser gerenciados pela instituição de saúde ou terceirizados — tenham, portanto, seus próprios selos de qualidade.

 

Explicando em miúdos, a certificação tem enfoque específico em determinada atividade, ao passo que a acreditação atribui excelência em todo o processo, da assistência clínica ao gerencial da instituição.

 

Na saúde, a acreditação é o selo que garante que os hospitais, como um todo, passaram por longa avaliação e revisão de seus processos. É a garantia de qualidade do atendimento e segurança do paciente.

 

Quais são as principais certificações e acreditações?

São diversas as metodologias de avaliação para a saúde. Os principais programas de certificação são o OHSAS 18001, para a saúde e segurança ocupacional, e o ISO 9000, atualmente o mais importante instituto de padronização, presente em mais de 185 países — no Brasil, a ISO é representada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

 

Para a acreditação hospitalar, os principais programas são: Accreditation Canada International (ACI), Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS), Joint Commission International (JCI), NIAHO (Acreditação Nacional Integrada para Organizações de Saúde) e ONA (Organização Nacional de Acreditação).

 

A que tem mais destaque no Brasil é a ONA, que integra iniciativas de outros processos e, junto ao Ministério da Saúde (MS), busca atestar a qualidade dos serviços de saúde no País e possui foco na segurança do paciente.

 

As avaliações da ONA são realizadas por instituições acreditadoras credenciadas e têm como referência as normas do Sistema Brasileiro de Acreditação e o Manual Brasileiro de Acreditação.

São três os níveis de acreditação:

Nível 1 – Acreditado

Quando a organização de saúde atende ao princípio de “segurança” em todos os processos organizacionais:

1) cumpre ou supera em 70% os padrões de qualidade e segurança definidos pela ONA. São avaliadas todas as áreas de atividades da instituição, incluindo aspectos estruturais e assistenciais.

Certificado válido por dois anos.

 

Nível 2 – Acreditado Pleno

Quando a organização de saúde atende aos princípios de Nível 1 e dispõe de um sistema de planejamento e organização focado na “gestão integrada”:

1) cumpre ou supera em 80% os padrões de qualidade e segurança definidos pela ONA;

2) cumpre ou supera em 70% os padrões ONA de gestão integrada, com processos ocorrendo de maneira fluida e plena comunicação entre as atividades.

Certificado válido por dois anos.

 

Nível 3 – Acreditado com Excelência

Atende aos princípios de Níveis 1 e 2 e demonstra uma cultura organizacional de melhoria contínua com maturidade institucional:

1) cumpre ou supera em 90% os padrões de qualidade e segurança definidos pela ONU;

2) cumpre ou supera em 80% os padrões de gestão integrada;

3) cumpre ou supera em 70% os padrões ONA de Excelência em Gestão, demonstrando uma cultura organizacional de melhoria contínua com maturidade institucional.

Certificado válido por três anos.

 

Essa classificação em níveis começou no Brasil com intuito de permitir o crescimento gradativo das organizações. Ainda assim, é possível que uma instituição de saúde seja acreditada, pela primeira vez, com o nível 2 ou 3 — porém é bastante raro na história da entidade.

 

Com relação às certificações, os selos têm validade por dois anos. Nas duas situações, há realização de manutenção ordinária. Isso significa que as instituições podem perder o selo de qualidade caso deixem de atender as normativas durante o período de vigência da acreditação ou certificação.

 

Processo de Upgrade

É possível avançar para um nível mais elevado, mas esse processo é considerado um novo ciclo de certificação. Assim, o resultado não depende da nivelação vigente e a mudança de nível só pode ser solicitada um ano após a última certificação.

 

Os benefícios da acreditação — e os números ainda pequenos

Como o processo para a acreditação consiste na avaliação de diversos aspectos, desde estrutura física a modelos de gestão e jornada do paciente, a instituição precisa passar por um planejamento estratégico. Isso significa revisar formas de trabalho já estabelecidas.

 

Com isso, ela ganha em gestão de pessoas e de recurso otimizada, em mais eficiência e efetividade no atendimento, em otimização e agilidade nos processos e rotinas, em melhor desempenho e redução de custos. Há maior segurança para os pacientes e profissionais, mais qualidade da assistência, valorização da instituição de saúde e sustentabilidade do sistema.

 

Por mais que os benefícios sejam inúmeros, o número de instituições de saúde acreditadas no Brasil ainda é pequeno. Em agosto de 2019, a ONA apontou 347 hospitais acreditados. Se há 6.820 hospitais em funcionamento no Brasil — segundo dados da Confederação Nacional da Saúde (CNS) — isso representa cerca de 5% de hospitais acreditados.

 

Há vários motivos que levam a esse cenário:

 

1) Estruturas físicas inadequadas;

2) Falta de foco na segurança do paciente;

3) Profissionais resistentes a mudanças nos protocolos e processos;

4) Ausência de uma cultura de segurança, com participação ativa da liderança e de toda a equipe;

5) Falta de investimento em soluções tecnológicas.

 

Tecnologia é grande aliada para acreditação

O processo de acreditação hospitalar requer uma nova metodologia de gestão, o que inclui um planejamento estratégico bastante completo e focado em qualidade na gestão assistencial e administrativa — e na melhoria contínua.

 

E um sistema de gestão hospitalar robusto é essencial para contribuir com essa jornada, porque ele é capaz de aperfeiçoar métodos e colaborar para a clareza e agilidade da dinâmica das atividades hospitalares. O Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) e o Business Intelligence (BI) são duas ferramentas cruciais para a obtenção dos selos de qualidade.

 

Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP)

Importante aliado para aumentar a produtividade e gerir investimentos e gastos. É uma ferramenta com recursos para otimizar as atividades das equipes e auxiliar na prestação de atendimento de qualidade.

 

As informações clínicas dos pacientes ficam disponíveis no PEP, unificadas em apenas um sistema de dados, auxiliando na tomada de decisão de forma mais rápida e assertiva.

 

Com o prontuário eletrônico é possível mapear o histórico do paciente, mitigar erros, otimizar o trabalho e garantir a segurança do paciente — diretrizes essenciais para a acreditação de uma instituição.

 

Business Intelligence

O Business Intelligence é uma ferramenta que faz o cruzamento de informações e dos mais diversos indicadores hospitalares. Permite a unificação de dados disponíveis em prontuários eletrônicos, equipamentos médicos e sistemas hospitalares, ajudando os gestores na tomada de decisões mais rápidas e assertivas.

 

Por meio de indicadores obtidos pelo cruzamento de informações é possível identificar os riscos que podem comprometer a gestão e, com isso, se antecipar e agir antes das dificuldades surgirem.

 

A tecnologia hoje é indispensável às instituições que querem melhorar seus processos a fim de garantir melhora na qualidade assistencial e segurança do paciente. Ela permite monitorar dados em tempo real, cria indicadores gráficos para definição de estratégias, permite agilidade na tomada de decisões, faz análise de riscos e, consequentemente, possibilita a obtenção de um selo de qualidade.

 

Mas a tecnologia, por si só, não é sinônimo de mudanças. O sistema de gestão hospitalar é o apoio dentro da construção de uma cultura organizacional toda voltada à assistência e segurança.

 

A solução tecnológica permite toda a criação, execução e monitoramento de um planejamento estratégico, mas cabe às lideranças e colaboradores participarem dessa construção com aplicação de ferramentas de qualidade.

 

Um sistema intuitivo e de fácil acesso como o da Wareline é um convite para que lideranças e profissionais façam bom uso dele e se beneficiem de todas as funcionalidades tecnológicas. É assim que se conquista a acreditação hospitalar, que hoje é um dos principais marcos da gestão em saúde.

 

Quem já conta com o sistema da Wareline

O Hospital e Maternidade Galileo (HMG) é uma das instituições certificadas pela ONA. Como a acreditação hospitalar exige otimização de processos, a instituição contou com o software de gestão hospitalar da Wareline para a automatizá-los. Também pode contar com indicadores e relatórios completos, que além de serem requisitos fundamentais para alcançar a acreditação junto da ONA, permitem mais clareza e agilidade nas atividades hospitalares, bem como decisões pautadas em métodos analíticos. Conheça o case clicando aqui.

 

Envie sua mensagem via WhatsApp