Santa Casa de Jahu implementa Prescrição Eletrônica

2015-01-14T00:00:00-02:00 14/01/2015|
Adequando-se às novas tecnologias, a Santa Casa de Jahu implementou oficialmente no dia 12 de janeiro a Prescrição Eletrônica do software de gestão hospitalar da Wareline, com o objetivo de proporcionar segurança e agilidade nos processos internos. O uso da tecnologia amplia a segurança dos pacientes, melhora a comunicação, facilita e agiliza o acesso a informações.
Em dezembro, durante o período de treinamento dos profissionais para o uso da nova ferramenta iniciado no mês anterior, a Santa Casa contabilizou 1354 prescrições eletrônicas. Os médicos que mais se destacaram ao emitir a prescrição eletrônica naquele mês foram Júlio Antonio Martin Zarate Vilchez, Paulo de Tarso Nuñes Chiode, Newton Flavio Tasso Sanfelice, Daniela Ogawa Zanatto, Liana Cunha Pupo Esteves, Pedro Paulo Thimoteo da Silva, Osvaldo Franceschi Júnior, Carlos Alexandre Aguiar Moreira, Daniel Colares Vasconcelos, Emiliano Franceschi, Silvio Fernando Alonso, Matheus Palaro Canhete, Otaviano da Silva Cardoso Felício e João Gabriel Soares de Campos e Silva.
De acordo com o Dr. Vilchez, a prescrição eletrônica é muito importante para que não haja dúvidas pelas equipes de enfermagem e farmácia com relação a medicamentos que devem ser dispensados e para que fique registrada a evolução dos pacientes. “Embora minha letra seja legível, eu já preferia fazer a prescrição eletrônica. é muito mais rápida e segura. é questão de nos adequarmos à modernidade e às novas tecnologias”,disse.
De acordo com a supervisora da farmácia da Santa Casa, Cristina Cantarelli, o sistema de prescrição eletrônica para a farmácia representa um avanço dentro das estratégias utilizadas para minimizar erros decorrentes de prescrições ilegíveis e mal formuladas. “Contribuirá para a promoção do uso racional dos medicamentos, para maior segurança para paciente, diminuição significativa do número de devoluções, melhor gerenciamento de estoque e até mesmo redução significativa de custos“, afirmou.
Para o médico Paulo de Tarso Nuñes Chiode, a prescrição eletrônica proporciona segurança, agilidade e integração entre os sistemas. “Eu já fazia prescrição eletrônica com equipamentos pessoais que eu trazia para o hospital e agora faremos isso de forma integrada. Essa nova ferramenta torna tudo muito mais prático, mas não é algo estático. Estará em constante evolução visando sempre facilitar ainda mais o trabalho dos médicos”.
A supervisora da equipe de enfermagem da Santa Casa, Regiane Laborda complementa a opinião dos colegas: “o sistema de prescrição eletrônica traz segurança e viabilidade a todo o processo que se inicia na descrição dos medicamentos e finaliza no sucesso da administração correta do mesmo. Com os adventos de erros de administração contraídos pela ilegibilidade da grafia médica, a prescrição eletrônica vem possibilitar a leitura facilitada dos itens prescritos e oferecer segurança ao funcionário na administração do medicamento correto. Isso se traduz em inúmeros benefícios a todos, ou seja, ao paciente, ao médico, ao funcionário e ao hospital”.
De acordo com Regiane, a prática demonstra que os centros que adotaram esse mecanismo tiveram reduções drásticas de falhas técnicas ligadas à prescrição médica. “Para a enfermagem, essa ferramenta vem assegurar um trabalho organizado e fiel. A imagem do hospital diante da população se alicerça no desempenho das ações empregadas pelos médicos e colaboradores. Quanto maior a segurança, menor o risco de erro e maior a garantia dessa credibilidade. A prescrição eletrônica é um avanço importante neste sentido”, finalizou.
A prescrição eletrônica é segura para o paciente, pois elimina os problemas relacionados com legibilidade, abreviações e erros de interpretações. O sistema de gestão hospitalar reduz o tempo de prescrição e os possíveis erros de medicação, permitindo ganho de tempo por meio da padronização de nomenclaturas, utilização de prescrições padronizadas, integração de informações com a farmácia, precisão e recuperação da informação.
Os motivos para a adoção do sistema são a rápida redução dos custos em comparação aos sistemas de prescrição em papel e a melhora da qualidade e eficiência do atendimento, que torna a organização de estoque e de compra de medicamentos mais rápida.
Fonte: Informativo Santa Casa de Jahu