Queda de contratação de planos de saúde afeta hospitais públicos

2016-04-20T00:00:00-03:00 20/04/2016|

A atual situação econômica do país traz um sentimento de insegurança, consequência do crescimento do desemprego, desvalorização do real e perda de receitas com a queda na arrecadação de impostos. A crise afeta a todos, incluindo o setor da saúde, que sofre com a elevação de custos enquanto vê as receitas caírem.

Dados da Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados) mostram que os hospitais membros registraram uma queda de 1,8% na receita de 2015 em comparação a 2014. A previsão para esse ano não é de melhoras: com o aumento de desemprego, menos pessoas utilizam os planos de saúde: em 2015 mais de 440 mil clientes foram perdidos.

Há hospitais em que 90% dos atendimentos realizados são de pessoas com plano de saúde, que, com isso, perdem muito de seu rendimento e podem ter que cortar gastos – e funcionários. Nos prontos-socorros, a redução de atendimentos foi de 7,2% de 2014 para 2015 (cerca de 150 mil atendimentos a menos). Portanto, é preciso que o mercado de planos reaja, ou o saldo de contratações pode ser negativo este ano.

Outro fator que pesa nos custos hospitalares é a alta do dólar. Muitos equipamentos e insumos que são utilizados diariamente precisam ser importados, o que pode criar dois cenários: déficit de equipamentos e medicamentos ou alta de custos que irá comprometer a sustentabilidade dos hospitais.

A situação dos hospitais privados também reflete nos públicos: com os planos de saúde perdendo clientes, estes serão atendidos pelo SUS. Entretanto, as Santas Casas, que atendem 55% da demanda do sistema, já sofrem com a defasagem dos repasses e cobram alterações para manterem-se ativas. Se fecharem, o país entrará em uma profunda crise de saúde.

é importante que o governo proponha iniciativas destinadas à saúde, mas os hospitais também não podem só esperar a boa vontade dos governantes. Uma possibilidade é a otimização dos recursos dos hospitais: verificar quais os itens necessários ou sazonais e quais não são. Com a utilização de um software de gestão, há muita economia que pode ser realizada na instituição, cortando gastos desnecessários e evitando comportamentos que possam gerar despesas e retrabalho. As operadoras também podem diversificar os serviços, oferecendo novos pacotes de acordo com a necessidade dos clientes, para mantê-los e, quando a situação melhorar, somente fazer um upgrade no plano.