• Atendimento em recepção de hospital

Números apontam melhora em mercado de planos de saúde

2018-02-09T10:02:09-02:00 09/02/2018|

Desde o início da chamada crise, os planos de saúde têm enfrentado uma situação complexa. Com a recessão econômica que levou ao fechamento de milhões de postos de trabalho, houve queda no número de beneficiários – o desemprego levou ou ao cancelamento dos planos de saúde ou a perda do emprego formal levou à perda do plano. Assim, ficou ainda mais crítica a situação da saúde suplementar no país.

 

No entanto, uma Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB), produzida pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) com base em dados da ANS, mostrou dados positivos: os planos de saúde médico-hospitalares fecharam 2017 com redução de 0,6% no total de beneficiários em 12 meses, o que significa que o setor fechou o ano com 47,3 milhões de vínculos, uma redução de 281,6 mil beneficiários em relação a 2016.

 

Recuperação dos planos de saúde

 

Apesar da retração, o resultado é positivo em relação ao registrado nos últimos anos. Segundo executivos do IESS, pode representar um processo de recuperação.

 

  • 2015: o mercado de planos de saúde médico-hospitalares havia recuado 2,3% ou 1,2 milhão de vínculos;
  • 2016: a queda foi de 2,8%, com perda de 1,4 milhão de vínculos;
  • 2017: desaceleração no ritmo de rompimentos de contratos com esse tipo de plano.

 

Entretanto, a recuperação dos mais de 3 milhões de vínculos rompidos desde o fim de 2014 acontecerá de maneira gradual. Em especial acompanhando o contexto da economia nacional e a geração de empregos formais nos grandes centros urbanos, onde as empresas tendem a oferecer o benefício do plano de saúde.

 

Segundo a NAB, entre novembro e dezembro do ano passado, 108,6 mil novos vínculos com planos médico-hospitalares foram firmados, o que representa uma ligeira alta de 0,2%. Agora é importante acompanhar esta importante movimentação do mercado.

 

Quer saber um pouco mais sobre como a crise afetou o setor de saúde? Leia nosso post na íntegra clicando aqui.

*Fonte: Fórum Saúde Digital