Médicos andam na corda bamba dos dados

A assistência médica, que sempre foi baseada na interação médico-paciente, está chegando ao fim da fase 1 do Uso Significativo, uma qualificação criada pelo governo federal americano para financiar a tecnologia de informação em saúde, especificamente, o uso de registros eletrônicos de saúde. E como a indústria aumenta sua dependência dos registros eletrônicos de saúde, essa interação enfrenta um novo desafio: o de conciliar a necessidade de capturar dados estruturados padronizados com a importância da narrativa na interação médico-paciente de acordo com Nick van Terheyden, diretor-gerente e CMIO (Chief Medical Informatics oficial) da Nuance Communications.

“Quando os pacientes entram no consultório… eles querem a atenção do médico e, infelizmente, o que o processo que envolve a captura de dados tem feito é desfocar essa interação”, disse van Terheyden à Healthcare IT News.

O início do Uso Significativo fase 2 para muitas organizações em 2014 vai inaugurar a aplicação de normas mais rigorosas para captura de dados, bem como novas regras para o uso de ERPs para coletar uma ampla gama de dados estruturados, incluindo informações demográficas e aquelas relativas a encontrar diagnóstico, medicamentos e alergias a medicamentos, resultados de laboratório e etc.

Documentar os dados em um formato estruturado para atender as normas para o Uso Significativo fase 2 será importante para permitir que os médicos capturem informações detalhadas e precisas sobre seus pacientes, mas também para manter esse detalhe e precisão ao mover os dados do paciente para outras configurações. Isto significa que quando os pacientes têm de se deslocar de serviço de saúde para serviço de saúde dentro do sistema, podem fazê-lo sem a necessidade de introduzir a sua informação repetidamente sempre que entrarem em uma nova clínica. A ideia é prestar um atendimento melhor e mais eficiente.

No entanto, os médicos também fazem suas próprias anotações de texto livre de interações do paciente, e este modo de capturar dados tem sido o preferido por um longo tempo.

Nguyen Viet, diretor-gerente e CMIO (Chief Medical Informatics oficial) da System Made Simple, disse em uma entrevista à Healthcare IT News em 28 de junho,  que os médicos sentiram que a documentação tornou o processo mais oneroso. Mas, “quando eles reconhecem – e eles estão reconhecendo – o valor desta informação codificada para a recuperação e agregação de dados, eles vão querer fazer parte disso”.

Ter os dados codificados do paciente permite que os médicos consultem bancos de dados e recuperem informações rapidamente. A captura de dados estruturados pode agilizar o fluxo de trabalho, permitindo aos médicos que dar o tratamento mais embasado via interação tecnológica eficiente.

A intenção desta parte da fase 2 é que os médicos melhorem cada vez mais na captura dos dados e entendam sua estrutura para melhor cumprir os objetivos, o que significa a manutenção mais completa dos registros informativos paciente.

Nguyen observou que os médicos tendem a ter um sentimento de apego aos seus registros de pacientes. No entanto, “a realidade é que os médicos são os administradores dos dados do paciente e, por isso, temos de fazer tudo o que pudermos para garantir que eles sejam úteis para o cuidado do paciente. Isso significa que nós queremos ser capazes de compartilhá-lo com autorizados usando dados estruturados”, disse ele.

Enquanto isso, os médicos que mantêm os seus registros pessoais de informações do paciente isolados, dizem que a interação tecnológica, que é demasiada complexa poderia despersonalizá-lo, transformando pacientes em bits de dados, ao invés de histórias coesas com contexto e nuance.

Pacientes “não entram com um questionário de múltipla escolha impressa em seu peito e nós [os médicos] marcamos ele. Eles vêm com uma história”, disse van Terheyden. Os médicos devem operar em uma narrativa, ou desestruturado, mundo.

Doug Fridsma, diretor gerente, diretor científico e diretor do Instituto de Ciência e Tecnologia da ONC, diz que os dados estruturados e não estruturados são importantes e os médicos devem incluí-los nos prontuários médicos. “A medicina está cheia de exemplos de quando a narrativa e texto livre é mais expressiva na descrição do encontro clínico”, disse ele em uma resposta por e-mail.

Essa documentação narrativa poderia ser útil em interações sucessivas com pacientes, independentemente de ele revisitar o médico que tomou essas notas ou estar se consultando com outro profissional.

Facilitar a interface entre médico e maquina é o cerne de van Terheyden e o trabalho da Nuance com a compreensão da linguagem clínica, uma versão melhorada da tecnologia de processamento de linguagem natural voltado para o processamento da terminologia clínica incorporada em texto livre.

Para tratar das questões de dificuldade tecnológica e interoperabilidade, ou a falta dela, no uso do ERP, van Terheyden debruçou-se sobre “o potencial de oferecer uma ferramenta que transcende todos estes sistemas”, referindo-se à diversidade de ERPs atualmente em uso”, que seria permitir a iteração de uma forma que é perfeitamente natural e toda a complexidade está escondida… Estou me referindo a fala”.

Por isso, a Nuance desenvolveu o Florence, um assistente virtual focado em ajudar os médicos a simplificarem suas interações com a tecnologia para que eles possam passar mais tempo com os pacientes. O protótipo Florence utiliza tecnologia de reconhecimento de fala e CLU, tornando possível para os médicos operar o ERP com comandos de voz.

Para van Terheyden, a resposta para permitir que médicos e funcionários do hospital interajam melhor com a tecnologia dos ERPs, mesmo quando a transmissão de dados entre os sistemas clínicos diferentes, é “a criação de sistemas que são tão fáceis de usar que você só pode tê-los todos sendo usado e você não precisa de muito treinamento”.

“Estamos, obviamente, em um ponto significativamente distante da utopia”, disse ele.

Tradução do texto “Docs to walk data tightrope”, originalmente publicado no site HealthCare IT News, em 2 de julho de 2013
2013-07-04T00:00:00-03:00