Governo quer criar 11.447 vagas em medicina até 2017

Em uma coluna semanal, a presidente Dilma Rousseff anunciou que o governo pretende criar mais de 11 mil novas vagas do curso de medicina. O anúncio acompanha o aumento de investimentos na saúde do país, com o aumento de softwares hospitalares, importação de médicos e muitos outros. Confira a notícia:

O governo pretende criar 11.447 vagas de graduação em cursos de medicina até 2017, sendo mais de três mil vagas em universidades federais. Essa meta foi reforçada por Dilma Rousseff na edição desta terça-feira (19) da coluna “Conversa com a Presidenta”, publicada semanalmente em cerca de 200 jornais brasileiros.

Ela destacou também as ações do Programa Universidade para Todos (Prouni), que concede bolsas integrais ou parciais para estudantes que cursaram o ensino médio completo em escola pública ou em escola privada na condição de bolsista integral e que tenham renda familiar de até três salários mínimos por pessoa.

“Desde 2005, o Prouni já beneficiou 1,27 milhão de estudantes em todo o País”, ressaltou a presidente. Ela argumentou, também, que há a opção de o estudante fazer matrícula em uma instituição particular participante do Financiamento Estudantil (Fies), sistema pelo qual já foi atendida parcela de 1,13 milhão de estudantes. “Os juros são de apenas 3,4% ao ano e o prazo de pagamento é de três vezes a duração do curso acrescido de um ano”, disse Dilma. Ela explicou que a primeira parcela só é paga 18 meses após a conclusão do curso.

“No caso da medicina, o curso pode sair de graça, se o médico formado for trabalhar em unidades de atenção básica do SUS, em regiões com carência de profissionais”, afirmou a presidente.

Dilma explicou, que, em uma situação assim, esse estudante terá uma redução de 1% no valor financiado para cada mês trabalhado. “Significa que, com 8 anos e 4 meses de trabalho no SUS, a dívida é quitada”, destacou Dilma.

A presidente defendeu, ainda, que outra mudança importante implantada recentemente foi a criação das cotas nas instituições federais para alunos que sempre estudaram em escolas públicas.

“Neste ano, tornou-se obrigatória a destinação de 12,5% das matrículas para esses estudantes de escolas públicas, sendo metade delas destinada a alunos com renda familiar inferior a 1,5 salário mínimo por pessoa”.

Dilma ressaltou que essa parcela crescerá a 25% das vagas em 2014 e chegará ao limite de 50% em 2016. “é respeitado também o porcentual mínimo de negros, pardos e indígenas correspondente à sua participação na população da Unidade Federativa”, destacou a presidente.

Fonte: Uol

2013-11-19T00:00:00-02:00