Estudo aponta: tecnologia ainda interfere pouco em área da saúde

Dados do estudo “2015 State of the Connected Patient”, divulgado recentemente pelo Salesforce, empresa de soluções de gestão de relacionamento com clientes (CRM), mostraram que, apesar do histórico pioneiro dos EUA, ainda há muito a se avançar no aspecto da saúde digital.

A pesquisa, realizada com mais de 17.000 norte-americanos que possuem plano de saúde, demonstra o quanto ainda há de resistência quando o assunto é uma assistência médica mais conectada: menos de 10% deles usam a WEB, e-mails ou mensagens de textos para marcar suas consultas. E 40% deles não se comunicam com o médico para acompanhar sua saúde (dieta, prática de exercícios e exames).

Apesar dos números não parecerem animadores, é interessante perceber um movimento contrário, conduzido por aqueles que compõem a geração Y. O fato de que 60% dos membros dessa geração ser a favor da telessaúde para evitar consultas presenciais desnecessárias e 71% deles afirmarem que gostariam que os prestadores usassem aplicativos para agendar consultas, compartilhar dados de saúde e gerenciar o cuidado preventivo, demonstram que há forte interesse em novas tecnologias colaborativas, inclusive como meio de relacionamento com o médico.

Confira como é o comportamento dos pacientes em cada uma dessas frentes quando o assunto é saúde digital.

Atualidade:

  • – 40% dos pacientes com seguro revisam seus dados de saúde em geral pessoalmente;
  • – 44% pegam pessoalmente os resultados dos exames também;
  • – 38% pagam suas contas de assistência médica pessoalmente;
  • – 62% dos pacientes com seguro dependem de um médico para acompanhar seus dados de saúde;
  • – 28% dos norte-americanos ainda gerenciam essas informações guardando documentos físicos em pastas;
  • – 40% dos pacientes com seguro afirmam não se comunicar com seu médico para gerenciar a prevenção a problemas de saúde. 

Geração Y:

  • – 40% dos pacientes com seguro da geração y acreditam que seu médico não os reconheceria se passassem um pelo outro na rua;
  • – 71% estariam interessados em que um médico/prestador oferecesse um aplicativo para dispositivos móveis para o gerenciamento ativo de sua saúde, prevenção média, revisão de registros de saúde ou marcação de consultas;
  • – Para o monitoramento de seu bem-estar, 63% forneceriam seus dados de saúde para seus médicos/provedores através de wi-fi/ wearables. 


Com informações do Saúde Business.

2015-02-26T00:00:00-03:00