Equipamentos diagnósticos com baixa dose de radiação são mais seguros

2016-02-22T00:00:00-03:00 22/02/2016|
O médico radiologista e coordenador do Serviço de Radiologia da Rede Mater Dei de Saúde, Wanderval Moreira, esclarece que, dentre as várias fontes de radiações ionizantes, encontramos aquelas ditas como naturais (das rochas, prédios e cósmicas) e aquelas artificiais (oriundas de alguns equipamentos de diagnóstico por imagem). “Existe uma dose máxima permitida para os trabalhadores com radiação, como técnicos de raios-X e tomografia, os profissionais da medicina nuclear que é de 50 mSv/ano (mSv é a unidade que mede radiação). Estima-se que nós, no ambiente em que vivemos, entre os prédios, com a radiação vinda dos cosmos ou numa viagem de avião estamos sujeitos até 20 mSv/ano”, explica o médico.
A radiação ionizante artificial está presente nos exames de raios-X, e exames de Radiologia, Tomografia computadorizada e exames da Medicina Nuclear como cintilografia e a tomografia por emissão de pósitrons, conhecida como PET-CT. Neste cenário, os benefícios da radiação em termos de diagnóstico por imagem cada vez mais precisos são inegáveis. “As dosagens de radiação para diagnóstico são baixas. A relação custo/benefício de um exame que envolve radiação será sempre positiva. Algumas ponderações devem ser feitas em casos de crianças e naqueles pacientes que, sabidamente, vão ser submetidos a exames seriados em um curto espaço de tempo”, explica Wanderval.
Para o médico radiologista, o que deve ser, realmente, levado em conta ao passar pelos exames com radiação é a necessidade de se fazer os exames. “As indicações médicas devem ser precisas e evitar exames desnecessários, aliás mesmos aqueles que não envolvem radiação, como ressonância magnética e ultrassom”, afirma.
A inovação tecnológica é aliada quando se busca a mínima radiação possível. Atualmente, tomógrafos de última geração, utilizam a chamada técnica de modulação de dose. “O aparelho calcula automaticamente a menor dose ótima para aquele paciente, naquela região do corpo a ser estudada. Assim, obtemos uma imagem diagnóstica de alta resolução com a menor dosagem possível, reduzindo os riscos acumulativos da radiação. 
Hoje, vários hospitais estão aderindo a esses recursos diagnósticos de ponta que proporcionam maior segurança para paciente e equipe médica. Os protocolos de exames são balizados na premissa de baixa dosagem com melhor resolução de imagem, visando sempre o maior benefício para o paciente. O equipamento pode oferecer um diagnóstico preciso com o mínimo de radiação resultando em imagens de alta resolução, com maior proteção para o paciente e para os profissionais de saúde que trabalham com tais aparelhos. São aparelhos ultrarrápidos que permitem maior conforto para o paciente. Os exames de tomografia computadorizada, por exemplo, são realizados em poucos segundos, de 5 a 10 segundos”, esclarece Wanderval Moreira. Além da rapidez na realização de uma tomografia computadorizada, o médico afirma que dependendo do tipo de exame e protocolo utilizado é possível reduzir em cerca de 40% a dose efetiva de radiação.