Entrevista: Ricardo Nobrega da Silva – Analistas de Custos do GRENDACC


CONECTE INFO: Na sua percepção, qual a importância de uma solução de Business Intelligence (BI) eficiente para gestão de saúde?
Ricardo Nobrega da Silva: A saúde, em virtude da situação financeira dos últimos tempos, precisa de ferramentas que sejam objetivas e claras, para que, assim, os gestores possam tomar decisões seguras e exatas, mitigando as margens de perdas. O BI nos auxilia totalmente neste aspecto, melhorando os processos de trabalho, principalmente pelo compartilhamento de dados entre os setores, dando uma visão macro do Hospital.
CI: Como é determinante para a estratégia do negócio? E para o trato com o paciente?
RNS: Nos dias de hoje os hospitais que trabalham com esta ferramenta com certeza estão um passo à frente dos demais. Assim conseguimos ter todas as informações do hospital a qualquer momento, nosso planejamento é mais eficiente e conseguimos buscar estratégias com dados mais completos e seguros.
O paciente só tem a ganhar, pois um hospital que busca uma eficiência em gestão sempre busca qualidade do atendimento, nos cuidados e visa tratamentos eficientes. Para que tudo isso possa dar certo, precisamos das áreas de apoio funcionando com muita eficiência e é exatamente aí onde o BI nos apoia.
CI: Alguns especialistas comentam que de todas as áreas nas quais as grandes empresas investem, BI para saúde talvez seja uma das que menos recebem atenção. Você concorda? A que atribui isso?

RNS: Concordo, principalmente na saúde pública. Infelizmente os gestores, principalmente de hospitais públicos como Santas Casas, têm extrema dificuldade em aceitar as ferramentas de BI. Muitos acreditam que essa ferramenta traz informações desnecessárias para um hospital e que os principais responsáveis por dados importantes estão diretamente ligados ao paciente, como médicos, enfermeiros e farmacêuticos, confiando plenamente no que estes funcionários têm em mente ou em papel, fazendo, assim, uma gestão caseira e com extrema dificuldade em todas as tomadas de decisões. 
Consequentemente, não se utilizando de ferramentas de BI, não possuem uma visão macro do hospital, não conseguem visualizar a real condição financeira, econômica e dos processos de trabalho da instituição.
CI: Quais seriam os empecilhos para a utilização do BI pelas instituições?
RNS: Além do desconhecimento de sua real importância e de seus benefícios, tanto para o Hospital como para o paciente, conforme já citado, os responsáveis não possuem uma gestão estratégica, um controle exato dos lançamentos da instituição em sistema de informações e trabalhadores qualifi cados, ou vontade de obtê-la, para a utilização da ferramenta de BI.
Vale também inserir a questão do custo de aquisição e implantação desse sistema: muitos gestores acreditam que seria um gasto desnecessário, sem saber que, na verdade, utilizando-se de uma ferramenta de BI poderiam reduzir seus custos e mitigar perdas, ou seja, é um investimento que vale a pena.
CI: O que uma solução de BI deve ter para atender às reais necessidades das entidades?
RNS: Deve possuir todas as informações da instituição, com fácil acesso e cruzando a quantidade máxima de dados tanto do paciente como das demais áreas, necessárias para o auxílio da tomada de decisões, que terão grandes chances de serem exatas.
CI: Qual a sua percepção da solução desenvolvida pela Wareline?
RNS: Todo o planejamento feito dentro do GRENDACC é baseado nas informações obtidas no sistema da Wareline, que nos atende perfeitamente nos aspectos que precisamos e já conseguimos, desde a implantação, reduzir muitos custos através das informações disponibilizadas.

CI: Como o uso do BI auxilia ou pode auxiliar o GRENDACC ?
RNS: Posso afirmar que o BI nos auxilia em tudo que planejamos para a Instituição, tal como: o consumo de paciente, perda de material/medicamentos, gerenciamento de estoque, produção por especialidade, código de identificação da doença, por profissional, faturamento e planejamento para o crescimento da instituição. 
O Grendacc atualmente está deixando de ser ambulatório para se tornar um Hospital de alta complexidade e o sistema de BI está nos ajudando a concretizar esse projeto, com a certeza que também nos auxiliará quando o Hospital estiver em funcionamento, pois já iniciará suas atividades com todas as informações interligadas e o custo controlado.
2016-07-21T00:00:00-03:00