Economia impacta na contratação de planos de saúde

2014-12-16T00:00:00-02:00 16/12/2014|
Segundo dados divulgados no boletim “Saúde Suplementar em Números”, as contratações de planos de saúde estão em plena desaceleração em razão do fraco desempenho da economia. O documento, produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), constatou que a contratação dos planos cresceu 2,8% no período entre setembro deste ano e o mesmo mês de 2013.

Neste espaço de tempo, os números absolutos somam 1,4 milhão de beneficiários incluídos no sistema privado de saúde. No mesmo período, o Produto Interno Bruto (PIB) nacional recuou 0,2%. De acordo com o boletim, a desaceleração na contratação dos planos é o reflexo da economia, que vem tendo um baixo desempenho, com um PIB (Produto Interno Bruto) cada vez menor. A comparação entre os terceiros trimestres de 2010 a 2014 mostra que a taxa de crescimento em 12 meses do total de beneficiários caiu de 5,9% em 2010 para 2,8% em 2014. 
De acordo com a análise de representantes dos IESS, o momento econômico é de incerteza e isso se reflete no mercado de planos de saúde. Portanto, se a economia melhorar, o mercado de planos de saúde acompanhará o crescimento.
Apesar da contratação dos planos ter sido maior do que o crescimento do PIB, nota-se uma queda constante nos últimos quatro anos, principalmente na modalidade de convênios empresariais. Esse tipo de plano registrou um crescimento de 11,1 %, no terceiro trimestre de 2010 e passou para uma evolução tímida, de apenas 3,8%, no terceiro trimestre deste ano. 
De acordo com o superintendente-executivo do IESS, Luiz Augusto Carneiro, o crescimento registrado nos planos coletivos empresariais se deve ao fato de que, apesar do PIB pequeno, a criação de postos de trabalho ter se mantido positiva. Números do Ministério do Trabalho indicam que quase 300 mil vagas de trabalho foram criadas no terceiro trimestre de 2014.