Dilma Rousseff e Alexandre Padilha abrem Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

A presidente da República, Dilma Rousseff, abriu nesta segunda-feira (25), no Palácio do Planalto, em Brasília, a 13ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. Realizada desde 1999, a campanha anual foi direcionada, até o ano passado, às pessoas com mais de 60 anos e aos indígenas. A partir de 2011, serão incluídas crianças de seis meses a dois anos incompletos, gestantes em qualquer período da gravidez e trabalhadores dos serviços de saúde.
“Eu faço um apelo às mães de crianças com seis meses até [menos de] dois anos, às grávidas e as pessoas com mais de 60 anos para que procurem um posto de vacinação e tomem vacina contra a gripe”, recomendou a presidente Dilma Rousseff.
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, reforça o chamamento: “Esta é uma vacina totalmente segura. Ela é fabricada com o vírus inativo dos tipos mais comuns de gripe. Ela é segura e os médicos recomendam que se tome a vacina. Ela é tão segura que até a presidenta tomou a vacina hoje, abrindo a campanha de vacinação”. 
Segundo Padilha, a vacina contra a gripe se tornou um importante instrumento de prevenção. “Desde que começamos a vacinação contra a gripe no Brasil, tivemos uma redução de 60% nas internações por pneumonias decorrentes de gripe”, revela. 
A vacina protege contra os três principais vírus que circularam no hemisfério Sul em 2010, entre eles o da influenza A (H1N1). Serão 32,7 milhões de doses, para todos os estados e municípios brasileiros. 
Ao todo, os cinco grupos prioritários da campanha de vacinação somam aproximadamente 30 milhões de pessoas. A meta do Ministério da Saúde, estados e municípios é vacinar 80% dessa população alvo, o que representa cerca de 23,8 milhões de pessoas. 
No próximo sábado seguinte, dia 30 de abril, ocorrerá o Dia de Mobilização Nacional para estimular a ida das pessoas aos mais de 65 mil postos de vacinação, presentes em todas as cidades do Brasil. Durante a campanha, serão mobilizados mais de 240 mil profissionais de saúde no país. 
PúBLICO AMPLIADO – Definida pelo Programa Nacional de Imunizações do Ministério, a ampliação do público da campanha teve como base estudos sobre o comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente o vírus da influenza – causador da gripe. 
Pneumonias bacterianas ou agravamento de doenças crônicas já existentes (como diabetes e hipertensão), principais complicações da influenza, são mais comuns em pessoas acima dos 60 anos e em crianças com menos de dois anos, além das gestantes e dos indígenas, também vulneráveis. 
No caso das crianças, é preciso uma atenção maior dos pais ou responsáveis, pois eles deverão levá-las duas vezes aos postos de vacinação. Em cada vez, será aplicada meia dose de vacina. Para garantir proteção contra a gripe, é fundamental que a criança retorne ao posto de saúde 30 dias após receber a primeira dose da vacina. 
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe vem contribuindo, ao longo dos anos, para prevenir a doença e suas complicações em pessoas com mais de 60 anos, além de causar impacto considerável na redução das internações hospitalares, óbitos e gastos com medicamentos para tratamento de infecções secundárias. 
Nessa população, estudos demonstram que a vacinação pode reduzir em até 45% o número de hospitalizações por pneumonias. Entre os residentes em casas de repousos e/ou asilos, a redução na mortalidade chega a 60%. 
Para realizar a campanha, o governo federal investiu R$ 229 milhões na compra da vacina. Além disso, o Ministério da Saúde repassou R$ 61,7 milhões diretamente para as Secretarias de Saúde dos Estados e Municípios estruturarem as campanhas de vacinação de todo o ano. São os estados e municípios os responsáveis pela aquisição de seringas, agulhas e pagamento de outras despesas. As campanhas contam, ainda, com recursos das próprias secretarias.
SERVIçO 
Quem será vacinado 
Toda a população de 60 anos ou mais, toda a população indígena (acima de 6 meses de vida), crianças com idade entre seis meses e dois anos, gestantes e profissionais de saúde. 

Onde se vacinar 
As pessoas devem procurar a Secretaria de Saúde do seu município ou estado para se informar sobre a lista de postos de vacinação, bem como o endereço e o horário de funcionamento. 
Contraindicações 
Não deve tomar a vacina quem tem alergia à proteína do ovo. Pessoas com deficiência na produção de anticorpos, seja por problemas genéticos, deficiência no sistema imunológico (de defesa do organismo) ou tratamento de doenças como câncer e aids, devem consultar o médico antes de tomar a vacina.
Fonte: Site do Ministério da Saúde
Foto: Ascom / Ministério da Saúde
2011-04-25T00:00:00-03:00