CONDERG surpreende auditores do PNASS

2015-11-12T00:00:00-02:00 12/11/2015|
Mesmo em uma realidade em que a qualidade dos serviços públicos de saúde não consegue atender, em sua maioria, as necessidades da população, existem exceções que mostram que uma gestão eficiente faz toda a diferença. Esse é o caso do CONDERG (Consórcio de Desenvolvimento da Região de São João da Boa Vista), cliente da Wareline desde 1994. E quem avalia a instituição dessa maneira positiva não são apenas os pacientes, mas o próprio Ministério da Saúde (MS).

Em meados de outubro, o hospital recebeu os auditores do PNASS (Programa de Avaliação Nacional de Serviços de Saúde), iniciativa que tem o objetivo de avaliar os serviços de saúde do SUS (Sistema único de Saúde) em estabelecimentos de atenção especializada em saúde ambulatoriais e hospitalares, que recebem recursos financeiros provenientes de programas, políticas e incentivos do MS.

“Durante a avaliação, vários comentários foram feitos por parte dos auditores no sentido do hospital manter um diferencial com relação à humanização do atendimento, ao respeito ao paciente, à organização do trabalho e à facilidade em obter informações relacionadas ao controle de materiais e medicamentos, agendamento cirúrgico e reserva de materiais especiais,  bem como o controle do custo hospitalar que, segundo eles, até hoje não havia sido apresentado de forma completa como em nosso hospital”, conta a diretora técnica da instituição, Rosalina Dias.

Ainda de acordo com a profissional, o layout do sistema da Wareline também foi elogiado por apresentar em uma única tela diversas informações de maneira organizada, além da integração dos módulos, o que contribui para a redução de retrabalhos.

A pontuação final ainda não foi divulgada. Segundo as auditoras isso ocorrerá no início do próximo ano, após conclusão da avaliação dos hospitais credenciados ao SUS. Apesar disso, pode-se dizer que o CONDERG foi muito bem avaliado. Dos 126 itens possíveis de serem pontuados, 111 foram considerados “contemplados”, 11 foram “contemplados com ressalva” e apenas 4 “não contemplados”.

Para Rosalina esse resultado é fruto de muito empenho da gestão e do esforço de toda a equipe hospitalar que se empenhou em fazer o melhor, sempre desafiando os obstáculos de ser 100% SUS e de trabalhar com recursos reduzidos.

“Que esse resultado possa ser revertido em melhores condições de remuneração na tabela SUS para aqueles hospitais que forem melhores pontuados”, conclui a profissional.

Como a tecnologia auxiliou numa avaliação positiva

Rosalina considera que o fato da instituição contar com um software de gestão hospitalar contribuiu para o resultado final da avaliação. As pontuações obtidas nos critérios de Gestão de Equipamentos e Materiais, Assistência Farmacêutica, Atenção Cirúrgica e Anestésica – referentes à disponibilidade de matérias para cirurgias eletivas, margem de segurança para emergências, monitoramento das salas cirúrgicas com suspensão de cirurgias, agendamento cirúrgico e no critério Planejamento e Organização – um dos itens pontuados como diferencial foi o de possuir estudos de custos implantado, que foi concebido com o auxílio dos dados coletados do software.

“O sistema de gestão integrado da Wareline foi importante na apresentação de itens referente ao controle de materiais e medicamentos, onde foi possível demonstrar o controle de estoque, margem de segurança, rastreabilidade, assim como o custo hospitalar”, explica.

Mas não basta ter um software de gestão, é preciso utilizá-lo. O CONDERG faz uso de praticamente todas as funcionalidades de cada um dos módulos que possui. “Trabalhar de forma integrada depende de esforço para que a linguagem falada entre todos seja a mesma. Isso não é fácil, mas possibilita que a informação esteja disponível e possa ser usada instantaneamente na hora da tomada de decisão. Hoje, no atual estágio da globalização e rapidez de informação, não é possível se comportar como alheios digitais”, ressalta a diretora técnica da instituição.