Como humanizar a TI da saúde

2013-11-26T00:00:00-02:00 26/11/2013|

Quais são os benefícios de sistemas hospitalares para os pacientes? Médicos discutiram que, para o hospital, eles são bem óbvios, mas é preciso se colocar no lugar do paciente para ver o que realmente muda.

Para assegurar os fundos do Uso Significativo – programa americano de incentivo à tecnologia na gestão hospitalar – o cuidado com o paciente muitas vezes fica esquecido, de acordo com Richard Ong, CIO da Saint Vicent Health System, que fica em Erie, Pensilvânia.

Em uma entrevista recente para a Healthcare Technology Online, Ong disse que “apenas o ato de transformar um formulário de papel em um eletrônico não será o suficiente para revolucionar a saúde”.

“Isso não terá muito impacto no paciente,” diz Ong. “é o que você faz com os dados eletrônicos que importa. é preciso racionalizar e entender a economia real dos dados. Como isso pode nos ajudar a alcançar nossos objetivos corporativos? Como podemos aproveitar os dados em sistemas hospitalares menores? E o mais importante: como é que esses dados podem beneficiar nossos pacientes?”

“Pacientes não se importam que os sistemas permitam ao médico um acesso rápido aos prontuários, ou a habilidade de gerar relatórios”, ele disse. De acordo com Ong, eles se importam se essa tecnologia ajudou a diminuir o tempo de espera, se tornaram possíveis resultados de laboratório mais rápidos ou alertaram o médico sobre uma condição médica ou prescrição errada.

Em outubro, na Universidade de Executivos de Informação da Saúde (College of Healthcare Information Executives – CHIME), CIOs e líderes discutiram as dicas para sobreviver a uma auditoria do Uso Significativo. Como a FierceEMR relatou anteriormente, muitos fornecedores têm se esforçado para documentar todos os atestados de Uso Significativo.

Organizações devem manter os dados para apoiar as alegações de certificação por até seis anos. “Chamamos isso de atestação de evidência: é fundamental que você saiba exatamente contra o que atestou e que você tenha um meio de recuperar e produzir essa informação. Você precisa realmente pensar em como isso funciona para a sua organização”, disse Elizabeth Johnson, vice-presidente de informática clínica aplicada na Tenet Healthcare Corporation. Em muitas organizações, disse ela, essas informações são armazenadas em uma pasta (ou várias) em uma prateleira.

“As pastas são OK, afinal todo mundo tem um fichário”, disse Johnson. “Mas coloque em um PDF também para que você possa usar de forma rápida novamente no futuro”, completa.

Fonte: Fierce HealthIT