Entenda como a Robótica na Medicina vai revolucionar os procedimentos cirúrgicos

2018-08-02T12:02:55-03:00 02/08/2018|

Se você tivesse que passar por um procedimento cirúrgico delicado e pudesse escolher, optaria por ser operado por um médico especialista ou por um robô? Os avanços na tecnologia médica são tamanhos que está se tornando cada vez mais comum o uso de instrumentos robóticos na realização de procedimentos cirúrgicos delicados e minimamente invasivos. Afinal, quem não quer contar com o conhecimento de um especialista médico aliado à tecnologia de última geração da robótica para um procedimento mais seguro, preciso, rápido e, ainda por cima, com menos dor e trauma? São os benefícios da robótica na medicina!

Aqui tem tudo o que você precisa saber para ficar por dentro deste assunto, que vem acrescentando outra dimensão aos cuidados de saúde e à forma como os médicos e cirurgiões estão se especializando. Apenas no ano passado, mais de 6 mil brasileiros foram operados com o auxílio da robótica e este número não para de crescer, com expectativa de aumento de 30% ao ano.

Homem X Máquina

Isso quer dizer que os médicos serão substituídos por robôs? Não! Os movimentos do robô não são autônomos. A tecnologia depende inteiramente do ser humano e só funciona com a existência de um profissional habilitado para operacionalizá-la.

Os instrumentos robóticos são utilizados como uma extensão da mão do cirurgião e obedecem ao seu comando. Os movimentos são escalonados, evitando aquele tremor que todos os humanos têm – por mais experiente que seja –, permitindo acesso a áreas mais delicadas do corpo humano e executando movimentos milimétricos, com mínima chance de erro.

A técnica

O uso de dispositivos robóticos em cirurgias começou na urologia, ginecologia e em alguns tipos de cirurgia torácica e abdominal. A técnica é bastante comum em procedimentos de retirada de vesícula, por exemplo, por meio da laparoscopia.

Hoje, um dos trunfos da robótica foi ter entrado no campo da neurologia. Se há um local em que a precisão é ainda mais do que fundamental, esse lugar é o cérebro e outras áreas neurológicas. O cirurgião neurológico e diretor de neurocirurgia da Sociedade Mundial de Cirurgia Robótica, Dr. Paulo Porto de Melo, foi quem trouxe essa técnica para o Brasil, direto dos Estados Unidos, em 2011.

Além de amplificar a potencialidade do cirurgião e eliminar o tremor, o especialista destaca uma habilidade exclusiva do robô: “o punho dele gira em sete eixos diferentes, 360 graus”. O escalonamento de movimentos também é uma grande vantagem. “Se faço um movimento de 0,5 centímetro, o robô fará de 0,05 centímetro. Isso acaba deixando a cirurgia mais delicada, precisa e segura, com acesso a regiões que não se conseguiria facilmente, porque o tamanho da mão do robô é muito menor do que a mão humana”, entusiasma-se Melo.

Vantagens da Robótica na Medicina

Os ganhos da robótica na medicina são incontáveis. O Presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Minimamente Invasiva e Robótica (SOBRACIL), Dr. Armando Melani, destaca como um dos principais, o aumento de capacidade de visualização de estruturas anatômicas. “Pelo simples fato de termos uma imagem faturada por uma microcâmera que atua como lente de aumento”, explica.

Outro ganho está na tomada de decisão intraoperatória, que precisa ser rápida e assertiva. Este processo pode ser facilitado pela robótica, com a aplicação de corantes especiais. “Eles podem ser determinantes para identificação de um linfonodo, vascularização ou via biliar”, completa Melani.

Confira outros benefícios do uso da robótica na medicina:

  • Recuperação mais rápida do paciente
  • Redução do risco de sequelas
  • Melhor ergonomia para o cirurgião: movimentos que poderiam ser complexos são executados de maneira simples
  • Melhor qualidade de imagem, com microcâmeras e visão ampliada em 3D
  • Maior acesso a cirurgias: movimentos minuciosos executados por robôs ampliam a possibilidade de realização de procedimentos complexos à mão livre

Capacitação Profissional

A busca por especialização na área da robótica cresce proporcionalmente aos avanços da tecnologia. Apenas no IRCAD América Latina, o maior centro de treinamento em cirurgia minimamente invasiva do continente, mais de 8500 cirurgiões foram formados na unidade de Barretos apenas nos últimos 7 anos. As áreas de ginecologia, endometriose, cirurgia geral e aparelho digestivo são as mais procuradas.

Segundo o cirurgião do Hospital de Amor de Barretos e Coordenador Científico do IRCAD América Latina – Unidade Barretos, Dr. Luis Gustavo Capocchin Romagnolo, médicos buscam capacitação para oferecer a melhor qualidade ao seu paciente. “Minimamente invasivas, as cirurgias são mais efetivas e com melhor qualidade de resultados técnicos e cirúrgicos”, aponta.

Evolução da Robótica na Medicina

Cirurgias guiadas pela tecnologia de câmeras, como a laparoscopia, estão bem difundidas no Brasil. As realizadas com o auxílio da robótica crescem a medida em que novos robôs são implementados no Brasil. Em 2008 eram apenas três robôs. Atualmente, são 40, podendo passar de 50 até o fim do ano, segundo dados da SOBRACIL.

A tendência é que a tecnologia se espalhe nos próximos anos, quando encerrará o monopólio que existe hoje e outras companhias ingressem no mercado com soluções igualmente eficazes.

 

Telemedicina

Não só cirurgias presenciais podem ser feitas com robô, mas também aquelas à distância, em locais que não contam com um cirurgião especialista na área em que precisa. Procedimentos a quatro mãos podem ser viabilizados com o especialista na área operando remotamente e o cirurgião local acompanhando in loco, com a possibilidade de intervir em qualquer situação de necessidade.

Como sua instituição de saúde está se preparando para o futuro? Conte com a parceria da Wareline para evoluir sempre!

*Conteúdo atualizado – publicação original em 02/07/2015.

Fontes:

Strattner

SOBRACIL- Sociedade Brasileira de Cirurgia Minimamente Invasiva e Robótica

IRCAD América Latina