Cirurgia robótica reduz riscos a paciente com câncer de próstata

2015-11-09T00:00:00-02:00 09/11/2015|
O câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais incidente em homens, de acordo com informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca), e tem como principal indicação de tratamento a cirurgia para remoção do tumor. O procedimento, antes feito por cirurgia aberta ou laboroscopia, evoluiu muito ao longo dos anos. A mais moderna forma de realizar a cirurgia é por meio da robótica. O procedimento é minimamente invasivo e diminui o risco de sequelas como a incontinência urinária e a perda da ereção.
Rafael Coelho, cirurgião do Hospital 9 de Julho, afirma que comparando-se a cirurgia robótica e os outros tipos de cirurgia para o câncer de próstata foi possível notar que o paciente que realiza o procedimento por meio da robótica tem 20% a mais de chance de recuperar a ereção e 5% a menos de risco de ter problemas com incontinência urinária”
Outro benefício da cirurgia robótica é o tempo de recuperação do paciente. Segundo  Rafael Coelho, o procedimento menos invasivo faz com que o paciente sangre menos, o que diminui o risco da necessidade de transfusão de sangue. “Assim, o paciente pode ser internado em um dia no hospital e ter alta no outro. Ele também pode retornar ao trabalho após 10 dias da realização do procedimento”, afirma. Em uma cirurgia aberta é necessário que o paciente fique pelo menos quatro dias internado e 30 dias afastado do trabalho.
O sistema robótico Da Vinci, é a mais moderna tecnologia cirúrgica da atualidade. Nele, o médico opera de um console (uma espécie de joystick) com uma série de recursos que vão da visualização em três dimensões e ampliação da imagem do campo cirúrgico em alta definição, permitindo a visualização de microestruturas, até recursos como a filtragem de tremores das mãos, fundamental para procedimentos de longa duração, mais cansativos. “Qualquer paciente com câncer de próstata que tenha a indicação cirúrgica pode realizar o procedimento por robótica”, destaca Rafael.
Prevenção
O diagnóstico do câncer de próstata é feito por meio de dois exames: dosagem do Antígeno Prostático Específico (PSA) e exame de toque retal. A maior parte dos médicos recomenda que os exames sejam feitos periodicamente a partir dos 50 anos. No entanto, pacientes que tenham caso da doença na família devem começar a prevenção mais cedo. “A idade exata deve ser definida pelo médico”, afirma o Dr. Rafael Coelho. Ele também destaca que a obesidade é um fator de risco para o câncer de próstata.
Fonte: Saúde Business