Brasileiros são os mais preocupados com segurança de dados em Saúde

2013-07-26T00:00:00-03:00 26/07/2013|
softwares hospitalares são muito úteis para as instituições de saúde. No entanto, é necessário ter cuidado com as informações que eles guardam dos pacientes. Uma pesquisa mostrou que os brasileiros se preocupam muito com isso. Veja  a íntegra do texto abaixo:

Uma pesquisa realizada pela Unisys revelou que a maior preocupação dos brasileiros quanto à quebra de sigilo de dados pessoais repousa sobre as organizações de saúde, superando bancos e órgãos governamentais. O estudo anual Unisys Security Index ouviu mais de 11 mil pessoas de 12 países sobre as atitudes dos consumidores em diversos aspectos relacionados à segurança.

Quando perguntados sobre ameaças relacionadas à violação de dados causada pela perda acidental, roubo ou a ação de hackers a empresas e entidades que hospedam dados pessoais, 93% dos brasileiros afirmaram se preocupar com essa questão nas empresas da área de saúde. O resultado coloca o País com o mais elevado nível de preocupação nesse quesito entre as 12 nações do estudo, superando México (86%) e Espanha (81%).

De acordo com a pesquisa, a maioria dos brasileiros ouvidos também possui elevado grau de preocupação com quebra de sigilo de dados em bancos (84%) e órgãos governamentais (81%). Em seguida aparecem os provedores de telecomunicações e serviços de internet (78%) e, por último, hotéis e companhias aéreas (59%).

Italo Cocentino, diretor de projetos estratégicos da unidade de tecnologia, consultoria e soluções de integração (TCIS) da Unisys na América Latina, diz que o resultado contraria a média mundial, que em geral considera o setor de saúde um dos mais seguros na guarda de dados pessoais. Segundo ele, casos recentes envolvendo fraudes em pontos eletrônicos por médicos podem ter contribuído para o resultado.

O diretor diz que contribui o aumento na utilização de sistemas de registro de dados de saúde no formato eletrônico por parte de hospitais, clínicas e laboratórios de diagnóstico, e que é importante que essas organizações invistam em soluções de segurança que protejam os registros dos pacientes.

Fonte: Saúde Web