24% dos tratamentos de câncer é realizado por hospitais filantrópicos

2015-05-20T00:00:00-03:00 20/05/2015|
Somente no ano passado, mais de 137 mil novos casos de câncer foram atendidos pelos 27 hospitais associados à ABIFICC, Associação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Combate ao Câncer, entre tratamentos cirúrgicos, radioterapia, quimioterapia e braquiterapia. Este total, representa 24% de todo tratamento realizado no país.
No caso dos procedimentos oncológicos cirúrgicos, os hospitais beneficentes foram responsáveis pela realização de 33,47% das operações, em 2014. “Infelizmente, o câncer é uma doença que atinge um número cada vez maior de pessoas e nem todas tem acesso à rede privada para o tratamento por isso, nossos hospitais têm papel fundamental no atendimento à população”, afirma dr. Pascoal Marracini, diretor presidente da ABIFICC. Há casos em que muitos hospitais associados são responsáveis por 100% do atendimento de radioterapia e braquiterapia no Estado em que atuam na assistência oncológica.
O déficit, no entanto, destes hospitais chega a ser de 30%. O poder público não investe na saúde o valor necessário para se realizar um tratamento oncológico e, com isso ainda há muitas pessoas que não conseguem atendimento rápido e de qualidade. “Se não há investimentos, não é possível aumentar o número de atendimento e, isso pode agravar o caso de um paciente e leva-lo à morte”, reforça Pascoal.
Além do déficit entre o custo do atendimento e o valor recebido, muitos hospitais filantrópicos estão enfrentando o atraso no repasse de seus recursos. “Há casos que Governo Federal envia verba, mas os gestores locais atrasam o repasse. Isto dificulta o controle do fluxo financeiro das entidades filiadas a ABIFICC”, explica Pascoal.
A ABIFICC tem feito um trabalho junto aos parlamentares na causa de câncer. A associação apoia a criação da Rede Parlamentar de Combate ao Câncer, que tem como objetivo aperfeiçoar a legislação referente à saúde e à assistência social, como uma revisão no orçamento para ampliar os investimentos nos programas governamentais de combate ao câncer no Brasil.
Fonte: Portal Hospitais Brasil