10 hábitos para abolir na gestão financeira hospitalar

2018-08-15T17:12:29-03:00 17/03/2017|

Gerir a área financeira de qualquer instituição exige bastante atenção. é preciso contar com ferramentas como softwares de gestão hospitalar que dão um suporte muito importante nas decisões que envolvem gastos, custos ou investimento. No entanto, independente da tecnologia empregada, ainda há alguns comportamentos que são muito comuns na gestão hospitalar e que são bastante prejudiciais à gestão financeira das instituições. Convidamos o especialista Contábil da Wareline, Carlos Eduardo Tanikawa, que elencou os 10 hábitos que devem ser abolidos.

 

Hábito 1. Geralmente não há uma preocupação com a quantificação do montante de gastos com valores pequenos (entre 10 a até 500 reais), considerando apenas valores consideráveis (acima de 500 reais). No entanto, isso é prejudicial, pois o montante pequeno acaba se tornando “considerável” à medida que as despesas vão acontecendo e sendo faturadas. é assim que pequenas despesas acabam se tornando grandes problemas para gestão financeira.

 

 Hábito 2. Falta de análise e interpretação dos relatórios administrativo-financeiros comparados aos indicadores, o que é primordial para montar cenários e definir estratégias de gestão.

 

Hábito 3. Em muitos casos, a conciliação bancária não é realizada em tempo hábil, e fica impossível acompanhar os saldos reais e atualizar os fluxos gerenciais com valores a receber versus a pagar.

 

Hábito 4. Contratar e manter profissionais sem experiência em gestão.

 

Hábito 5. Falta de capacitação da equipe operacional, prejudicando o uso dos dados pela gestão.

 

Hábito 6. Ausência de planejamento financeiro e orçamentário.

 

Hábito 7. Não ter domínio sobre os processos executados dentro da instituição; entender a rotina e os processos do hospital melhora significativamente o controle de pagamentos, recebimentos e todo ciclo que envolve a prestação de serviços e seus custos.

 

Hábito 8. Carência de planejamento, controle e organização. Isso é prejudicial principalmente quando não há uma ferramenta que integre as informações em tempo real, como um software de gestão hospitalar, por exemplo. A ferramenta de gestão integrada automatiza os processos e melhora o fluxo de informação, é um diferencial no atual cenário econômico instável.

 

Hábito 9. Não ter uma equipe de TI para controlar a gestão dos sistemas e extrair os dados necessários à tomada de decisão dos gestores.

 

Hábito 10. Adoção de vários sistemas para cada setor ao invés de um sistema integrado; isso gera desperdícios de tempo e recurso.

Depois dessa leitura, identificou alguma dessas práticas em seu hospital ou instituição de saúde? Se sim, conte com a nossa expertise para te ajudar!