19 3797.0... ver

Notícias

16/07/12

Câmara oferece números ao Governo sobre a crise das santas casas e espera solução

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara aprovou, por unanimidade, nessa quarta-feira (11), o Relatório Final da Subcomissão criada para analisar a situação crítica por que passam as santas casas, hospitais e entidades filantrópicas que prestam serviço ao Sistema Único de Saúde – SUS.

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara aprovou, por unanimidade, nessa quarta-feira (11), o Relatório Final da Subcomissão criada para analisar a situação crítica por que passam as santas casas, hospitais e entidades filantrópicas que prestam serviço ao Sistema único de Saúde – SUS. O documento, elaborado pelo deputado Antônio Brito (PTB-BA), foi entregue no mesmo dia ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Segundo o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), presidente da Frente Parlamentar da Saúde, o Relatório contem números fortes e precisos sobre a crise das santas casas e os parlamentares esperam que o Governo Federal tome atitudes urgentes para solucioná-la.

As santas casas são responsáveis pela metade do atendimento do Sistema único de Saúde (SUS) e estão ameaçadas pela falta de recursos. Correm sérios riscos de fechar suas portas pela impagável dívida de R$ 11 bilhões. O Relatório sugere o reajuste urgente da tabela de procedimentos do SUS, com ênfase na média complexidade, e impacto financeiro de R$ 11,5 bilhões. Propõe um reajuste de 100% sobre os cem procedimentos com maior incidência nos valores pagos pelo SUS em 2011 e que corresponderam a 81% dos valores pagos e a 84% do total de internações de média complexidade, no período. O impacto desta medida seria de 6,8 bilhões de reais, considerando todos os prestadores e de cerca de R$ 4 bilhões com o setor filantrópico.

No Relatório, os parlamentares defendem a revisão do Programa de Reestruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no Sistema único de Saúde – SUS; um Programa de Investimentos na Rede de Hospitais sem Fins Lucrativos vinculados ao Sistema único de Saúde – SUS; investimentos em pessoal e dinamização de programas de qualificação dos profissionais; transferência da dívida com bancos privados para bancos públicos; e renegociação da dívida fiscal das instituições filantrópicas.

O deputado Darcísio Perondi afirmou que a Comissão de Seguridade e as Frentes Parlamentares da Saúde e das Santas Casas querem uma audiência com a presidente Dilma Rousseff, para que ela ouça o que as santas casas têm a dizer. Para Perondi, “ela precisa saber que as maiores parceiras do SUS estão quebradas e que precisam de mais atenção e de uma solução do Palácio do Planalto”. Perondi defende uma grande mobilização nacional de todas as santas casas, com apoio das Secretarias Municipais de Saúde e de entidades da sociedade civil para chamar a atenção do Governo. E faz um alerta: “Esta mobilização pode levar prestadores, gestores e políticos a fazer greve de fome. Não descarto a possibilidade de tendas serem armadas e uma enfermaria começar a funcionar em frente ao palácio do planalto, com doente s, idosos e crianças, para chamar a atenção da presidente Dilma. O Governo precisa fazer menos obras, desonerar menos alguns setores industriais, parar de beneficiar pequenos grupos e olhar mais para a saúde dos brasileiros”, argumentou.

Já o presidente da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara, deputado Mandetta (DEM-MS), foi taxativo: “espero que o Relatório aprovado sirva para alertar o Governo, pois estamos caminhando para o maior colapso do sistema de saúde da história”.

Situação das Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas

São cerca de 2.100 instituições, algumas delas com cinco séculos de existência, e que oferecem 155 mil leitos, sendo 130 mil exclusivos para o SUS. São responsáveis por 45% dos atendimentos e internações e por 60% dos transplantes, partos e cirurgias oncológicas e cardíacas no Sistema único de Saúde.

O setor sofre com a defasagem em relação ao serviço que presta e o valor que recebem do Governo. De um custo de R$ 14,7 bilhões por serviços prestados ao SUS, apenas R$ 9,6 bilhões foram devidamente remunerados. Com isso, em 2011, o déficit já era de R$ 5.1 bilhões no setor filantrópico. Segundo o Relatório aprovado pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara, os valores praticados pelo SUS para a remuneração dos serviços ambulatoriais e hospitalares permanecem fortemente defasados. Atualmente a remuneração cobre, em média, apenas R$ 65 para cada R$ 100 gastos, considerando todos os níveis de atenção, inclusive o de alta complexidade, cuja remuneração não apresenta discrepância significativa em relação aos seus custos. Há, portanto, uma defasagem m&eacut e;dia de 54% nos valores praticados atualmente.

Esse processo tem consolidado a progressiva descapitalização do setor e explica o seu endividamento. A ausência de medidas efetivas para estancar essa verdadeira “hemorragia” fez a dívida acumulada saltar de R$ 1,8 bilhões, em 2005, para R$ 5,9 bilhões, em 2009. Este ano superou a casa dos R$11 bilhões, sendo 44% com bancos, e a estimativa para 2013 é que chegue a R$ 15 bilhões.

Fonte: Frente Parlamentar da Saúde

 Hacklink Shell indir Shell download Php Shell download Bypass shell Litespeed bypass shell https://backlinksale.wordpress.com/ https://hacklinkborsa.blogspot.com.tr/ https://shelldown.wordpress.com/ https://mectry.wordpress.com/ atasehir escort maltepe escort jigolo jigolo kartal escort kurtkoy escort pendik escort porno Kamagra Jel rokettube şarkı indir kaçak bahis jigolo olgun dul bayanlar istanbul jigolo sitesi seks hikayeleri jigolo sitesi hd porno rokettube brazzers porno sex izle sex izle