Santa Casa de Misericórdia de Pirassununga: um hospital humanizado

2018-07-09T13:15:53-03:00 25/10/2016|
O nascimento é um dos momentos mais importantes na vida dos pais e, por isso mesmo, precisa ser lembrado como uma ocasião feliz e tranquila. Uma opção que tem ganhado cada vez mais espaço na mídia, e entre as mães que buscam um caminho alternativo às cesarianas, é o parto humanizado.
A Santa Casa de Misericórdia de Pirassununga, cliente da Wareline há dois anos, não só tem um projeto acerca dos partos humanizados como foi selecionada para participar de um evento internacional que discutiu o tema.
O projeto na Santa Casa é encabeçado por quatro profissionais: Nelsimare Aparecida Senatore Ferrari (responsável pela Coordenação de Enfermagem e doula), Laís Z. Marafon (enfermeira e doula), Marília M. Pedrazzini (psicóloga) e Tatiane Tiago (assistente social); mas também conta com enfermeiras obstetra, médicos obstetras e pediatras, além do apoio da administração e provedoria. O objetivo é implementar as ações da Política Estadual de Humanização e as Boas Práticas de Atenção ao Parto e ao Nascimento, de acordo com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), a qual orienta o que se deve fazer e o que não é recomendado no processo do parto, tudo baseado em evidências científicas concluídas através de pesquisas feitas no mundo todo.
Para que o projeto pudesse ser colocado em prática, a Santa Casa teve que passar por mudanças. A escala das enfermeiras obstetras foi adequada, há médicos e enfermeiros 24 horas por dia exclusivamente nesse atendimento, contando com o suporte de psicologia, serviço social, fonoaudiologia, fisioterapia e todo o serviço de apoio sempre que necessário.
A Santa Casa também implementou uma agenda mensal de visitas programadas, quando gestantes e seus acompanhantes podem conhecer o hospital, tirar dúvidas e receber as orientações devidas. O espaço físico também passou por modificações, ganhando uma área para caminhadas, que possibilita a movimentação da mãe e favorece a descida do bebê no canal de parto; e um outro espaço com leito privativo que contém uma banheira para relaxamento, mantendo a privacidade e proporcionando um ambiente calmo e seguro.
Entretanto, uma das maiores mudanças foi a utilização dos métodos não farmacológicos para alívio da dor, como: massagens, banhos mornos (ducha e imersão), estímulo a posições desejadas, caminhadas, músicas e vídeos e controle da respiração. Outra mudança positiva com o projeto foi que o trabalho multidisciplinar estimulou a harmonia entre os integrantes da equipe, que foi refletido em um atendimento de qualidade.
Complementando o projeto de Parto Humanizado, a Santa Casa possui outros que também visam um melhor atendimento das pacientes, como a Casa de Parto Intra-Hospitalar (aguardando verba financeira), a parceria com a estratégia da saúde da família, a proximidade com consultórios médicos particulares, e o projeto que cadastra doulas e fotógrafos para mulheres que desejam ser acompanhadas.
 
Reconhecimento internacional
Por mês, são realizados 70 partos na Santa Casa; e desses, cerca de 60% são normais. Esse alto índice e o projeto levaram o hospital a participar do III Simpósio Internacional de Assistência ao Parto, com o tema “Informação, Autonomia e Consentimento”, que aconteceu em São Paulo de 1.º a 4 de junho de 2016. O trabalho da Santa Casa foi escolhido entre vários pela comissão organizadora para apresentar um pôster intitulado “Persistência, Trabalho e Dedicação para uma Assistência Obstétrica mais Digna”, além de participar das discussões do evento.
Sistema de Gestão Hospitalar
Contando com 106 leitos, 443 colaboradores e tendo em média 6 mil atendimentos ambulatoriais e 300 cirúrgicos por mês, a Santa Casa precisava de mais organização e agilidade para otimizar o trabalho realizado. “Nossas grandes dificuldades eram a geração de relatórios, a contabilização de gastos, a interação dos processos e até o entendimento de caligrafia de alguns. Com o software de gestão, em especial o PEP, pudemos integrar as equipes no processo de trabalho, tendo mais segurança voltada para a assistência em saúde; e temos mais informações qualificadas, que ajudam a melhorar o atendimento, otimizando e agilizando-o”, conta Nelsimare.
Segundo a profissional, o software também ajuda muito na execução do projeto de parto humanizado. “Temos muitas ideias e boas intenções, e estamos incansavelmente enfrentando desafios e procurando melhorias para uma experiência mais digna nesse momento tão sublime que é o nascimento de um filho. Acredito que ainda há muito a explorar dentro dos recursos disponíveis no sistema da Wareline, que podem nos ajudar nesse caminho. Portanto, essa parceria é de fundamental importância no dia a dia”.